Câmara Municipal de Beja

Jardim Gago Coutinho e Sacadura Cabral


Jardim Gago Coutinho e Sacadura Cabral (Jardim Público)

Localização: Freguesia do Salvador, zona histórica.

Jardim Publico



Enquadramento: Urbano, no limite da zona histórica e inserido na cerca do antigo Convento S. Francisco. O Jardim assumiu ao longo do tempo diferentes tipologias, após ter sido espaço de produção (horta) durante a época do Convento e campo de treino militar quando o Convento deu lugar ao Quartel, no séc. XIX, o Coronel desta Infantaria cedeu parte da antiga cerca para espaço público, o primeiro Passeio Público da cidade. Numa época em que a população vivia dentro do centro histórico, malha compacta, o Jardim era lugar de encontro, de estadia ou de passeio público. Com o crescimento da cidade e consequente, densificação e artificialismo da área envolvente e da cidade o Jardim passa a ser uma componente indispensável de qualidade de vida, lugar de convívio e lazer. O Jardim constitui um elemento importante, pelas suas características dominantes, na estrutura ecológica urbana de Beja, assim como, na vida quotidiana dos seus habitantes. É constituído por vários elementos singulares, que se traduzem no seu carácter identitário e no seu valor paisagístico e cultural.

 

Data de construção: 1880.

 

Área: 2ha.

 

Tipologia: Jardim Histórico.

 

Utilização atual: O jardim é um lugar pleno de simbolismos e de tradição para a sociedade de Beja. A ordem e a proporção dos elementos compõem um espaço de grande atractividade para diferentes utilizadores, que encontram aqui um lugar ao sol ou à sombra, de passeio, recreio, convívio e interacção com outras pessoas.

 

Morfologia do espaço: Fechado por gradeamento de ferro e com duas portas de acesso, desde o interior do Jardim são perceptíveis os seus limites. O Jardim possui forma rectangular caracterizado por uma estrutura formal geometrizada de composição rectilínea. Esta estrutura expressa um carácter da arquitectura romântica, pela composição e harmonia entre os elementos, no contraste claro-escuro produzido pela vegetação, utilizando espécies exóticas, nos caminhos rectilineos que se intersectam entre si e na criação de lugares pitorescos intimistas associados aos tanques e coreto.

 

A partir da entrada Poente, marcada pela estátua do Lidador, estende-se na direção Nascente o principal eixo estruturante do Jardim, concretizado numa rua alargada. Este eixo ladeado por árvores e canteiros culmina no monumento alusivo à morte do Lidador, em painel de azulejo implantado na fachada do volume edificado com cobertura em terraço. Adoçado ao volume edificado está implantado o polidesportivo.

 

Paralelamente ao eixo principal, a Norte, encontra-se um lugar de fruição, uma varanda/miradouro que se estende ao longo deste limite do Jardim. A meio do percurso de miradouro, está implantado o quiosque e a área de esplanada associada, definida por uma sebe. Contigua a esta área encontra-se a zona de mata.

 

A entrada Nascente é marcada pelo “lago dos patos”, o maior lago do Jardim com planta irregular, a sua maior atração assenta nos patos, gansos e peixes. Para além deste lago há mais três, de menor dimensão, distribuídos pelo Jardim. Dois dos quais, de planta irregular, estão associados a lugares de estadia escondidos e com carácter mais intimista. O terceiro de forma rectangular está localizado no eixo principal, próximo da área envolvente à estátua em homenagem ao Lidador.

 

O parque infantil constituído pelo montinho alentejano e por diversos equipamentos lúdicos ocupa uma área central definida por sebe. O coreto e o chafariz surgem em lugares isolados e ao mesmo tempo em destaque. O coreto de planta octogonal regular está colocado a Sul da rua principal e nas proximidades do parque infantil. O chafariz está próximo da entrada Nascente e por conseguinte do “lago dos patos”, implantado no centro de uma plataforma circular calcetada e rodeado de bancos.

 

Conheça mais sobre este jardim aqui.